Desinformação em tempos de zika
mar 29, 2016

Compartilhar

Assine o Oxigênio

 

Esse tal de vírus zika não tá fácil. Nossos feeds no Facebook, no Twitter, e por aí vai, estão “bombando”, toda hora tem novas notícias. Mas afinal, dá pra acreditar em tudo o que se vê, lê e ouve por aí? A gente responde: não dá. É preciso muito, mas muito senso crítico mesmo pra separar, como dizem, o joio do trigo.

O Zika é um vírus transmitido pelo Aedes aegypti, mosquito que também espalha a dengue e a febre Chikungunya. Segundo o Ministério Da SaúDE, o Zika foi identificado pela primeira vez no Brasil em abril de 2015 e seu nome faz referência ao local de origem de sua identificação em 1947, na floresta Zika, em Uganda.

Para não ficarmos batendo na tecla do tema saúde e consequências, algo que a mídia tradicional já está falando todos os dias, optamos por tratar o caso de outra maneira, na forma de análise de recepção, que a grosso modo é um tipo de estudo que analisa o discurso. Para Roseli Paulino, autora da pesquisa “Estudos de recepção para a crítica da comunicação” e professora do departamento de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, a postura da imprensa tem sido um tanto, digamos, “apocalítica”.

A pesquisadora toca num ponto importante ao lembrar que grande parte dos afetados pelo zika vírus são pessoas em situações vulneráveis. A declaração de Roseli, especialmente no que diz respeito às populações mais fragilizadas do ponto de vista do saneamento básico, está em linha com o que diz a Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, a ABES. Em nota, a associação informa que o pior problema para o combate às doenças é o abastecimento irregular, como falta ou intermitência de água, o que leva a população a adotar alternativas como barris e caixas d’água sem o cuidado necessário.

A vulnerabilidade, tanto do ponto de vista financeiro quanto cultural, segundo Roseli, pode levar a um entendimento equivocado e pouco esclarecedor sobre o que realmente está acontecendo. Mas será que o problema está só na imprensa tradicional? E aquelas informações, ou melhor, desinformações que circulam nas redes sociais, recheadas de boatos? É preciso tomar cuidado pra não cair em armadilhas e sair compartilhando besteiras por aí, hein? Mas preste atenção: não são só as redes sociais que transmitem informações duvidosas, não. Muitas vezes, empresas de mídia na ânsia de atrair audiência para suas publicações fazem chamadas tendenciosas e confusas. E é claro, isso sempre funciona. A gente vai lá e clica.

Então, o que devemos fazer? A solução é recorrer sempre a mais de uma fonte para se informar e, mais importante, não compartilhar o que for duvidoso! Veículos de comunicação vinculados a institutos de pesquisa, a universidades públicas, fontes independentes costumam tratar casos delicados com mais prudência. Então, cuidado com boatos, vale a pena pesquisar.

Matéria de Erik Nardini

 

Veja também

#137 – Latim? Morreu, mas passa bem

#137 – Latim? Morreu, mas passa bem

Você já se perguntou de onde vêm aquelas palavras utilizadas em tribunais que muitas vezes quase não conseguimos pronunciar? E quanto a um nome científico de alguma espécie de animal nova? A utilização do latim permeia o nosso cotidiano e fazemos o uso dessa língua...

#136 – De olho no rótulo

#136 – De olho no rótulo

Em outubro de 2020, foi aprovada pela Anvisa a nova norma sobre rotulagem nutricional de alimentos embalados, que entrará em vigor em outubro de 2022. Segundo a Agência, as mudanças vão melhorar a clareza e tornar mais legíveis as informações nutricionais dos rótulos...

#135 – O lixo nosso de cada dia

#135 – O lixo nosso de cada dia

Somos grandes produtores de lixo, principalmente nós, que vivemos nos centros urbanos. Segundo uma pesquisa da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (ABRELPE), em 2019 cada brasileiro produziu quase 400 quilos de lixo. No Brasil há...

#132 – Os mitos da caverna

#132 – Os mitos da caverna

Estruturas que despertam o interesse das pessoas há milhares de anos, as cavernas ainda hoje são importantes destinos turísticos, mesmo que não para todos os gostos. Nesse episódio, falamos um pouco sobre essas estruturas, como elas se formam e também sobre os...

Oxidoc: Estranha célula das entranhas

Oxidoc: Estranha célula das entranhas

Um dia, a antropóloga Daniela Manica, hoje pesquisadora do Labjor/Unicamp, andava por São Paulo quando viu a seguinte frase pichada num muro: “Mulheres são estranhas, sangram pelas entranhas”. Naquela época, ela já pesquisava as relações entre cultura e natureza,...

Ética e Tecnologia em Saúde

Ética e Tecnologia em Saúde

O programa Oxigênio traz algumas produções de parceiros. Desta vez o programa conta com a participação do Podcast  Saúde com Ciência, do Centro de Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais, a UFMG, que contribui com a matéria “Ética & Tecnologia...

Projeto de proteção à saúde indígena

Projeto de proteção à saúde indígena

  O programa Oxigênio traz algumas produções de parceiros. Desta vez o programa conta com a participação do Podcast Unifesp, da Universidade Federal de São Paulo. A matéria explica atividades do Projeto Xingu, uma iniciativa de proteção à saúde indígena, com...

Cresce a violência no campo, segundo relatório

Cresce a violência no campo, segundo relatório

A violência no campo aumentou em 2016, informa o Relatório Conflitos no Campo Brasil, lançado em abril pela Comissão Pastoral da Terra. Foram 61 assassinatos, o segundo maior número em 25 anos. Confira a análise de Marco Antonio Mitidiero Junior, geógrafo da...