Centros de pesquisa, inovação e difusão atuam para fortalecer o uso de informação genética da população brasileira na medicina
abr 27, 2016

Compartilhar

Assine o Oxigênio

 

É provável que você já tenha ouvido falar sobre Medicina de Precisão, um conceito que tem contribuído para criar as bases da área médica no século XXI. Essa novidade engloba o que há de mais atual na medicina, como a genômica, que se utiliza de dados genéticos de larga escala para o diagnóstico e tratamento de doenças, e a medicina personalizada, cuja ideia quem explica é a Doutora Iscia Lopes Cendes, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Neurociência e Neurotecnologia, o BRAINN.

Iscia Lopes Cendes  – “Hoje em dia nós fazemos a medicina para a maioria, mas nós sabemos que existem diferenças individuais, que cada indivíduo é um indivíduo, manifesta a doença à sua maneira e responde ao tratamento da sua maneira. Só que a medicina atual não leva em conta essas individualidades. Então a medicina personalizada procura, através do estudo de fatores genéticos que caracterizam cada indivíduo, fazer um tratamento mais personalizado para cada indivíduo levando em conta as suas diferenças.”

O interesse pela chamada medicina de precisão motivou a criação, em novembro de 2015, do BIPMed, um projeto que reúne cinco grandes centros de pesquisa multidisciplinares com o objetivo de implantar esse novo conceito de medicina no Brasil, é o que conta a pesquisadora do BRAINN que é um dos institutos envolvidos no BIPMED.

Iscia Lopes Cendes  – “O BIPMed surge como uma iniciativa para implantar esse tipo de medicina aqui no Brasil. Porque essa ideia de Medicina de precisão é uma ideia que hoje corre o mundo todo. No começo do ano houve o lançamento pelo presidente Obama nos EUA de uma iniciativa grande nos Estados Unidos, pra implantar esse tipo de medicina por lá, e nós achamos que também precisamos de uma iniciativa como essa no Brasil. Então essa é a grande missão do BIPMed”.

A pesquisadora Iscia Lopes Cendes relata que uma das dificuldades para aplicar a medicina de precisão no país está na falta de informações genômicas da população brasileira. Nesse sentido, os pesquisadores desenvolveram o primeiro banco de dados genéticos público da América Latina. Com acesso livre, até o momento da veiculação dessa reportagem mais de vinte mil registros eram disponibilizados online.

Iscia Lopes Cendes  – “Muitos dados foram gerados, dados genômicos da população Brasileira, mas eles estão guardados nos arquivos dos pesquisadores, nos computadores individuais. E com dados guardados a gente não consegue trabalhar. O primeiro produto que o BIPMed lançou foi o primeiro banco de dados genômicos público da América Latina, e já depositamos dados da população normal brasileira e vamos continuar depositando. Então esse banco existe, qualquer pesquisador pode depositar seus dados, não é só para os nossos dados, e qualquer pessoa no mundo pode consultar esses dados”.

Para o Doutor José Franco, médico geneticista da PUC-CAMPINAS, o BIPMed é um esforço inovador que abre perspectivas para a comunidade médica e científica de todo o mundo ao criar o que ele chama de REDES e promover uma ciência aberta, participativa e proativa.

José Franco – “O objetivo dessa iniciativa é integrar e incorporar essas informações em diversos níveis, abrindo novas possibilidades para a medicina genética diagnosticar e tratar da melhor forma possível e que no futuro tenhamos um impacto significativo na saúde pública e espera-se que esse trabalho permita avanços na saúde de nossa população, como na pesquisa também que é necessária para que o país possa evoluir e avançar”.

A Doutora Iscila Lopes Cendes, do BRAINN, lembra que o trabalho ainda é bastante recente e que por isso há um longo caminho a ser percorrido para se estabelecer um banco de dados poderoso e, enfim, intensificar o exercício da medicina de precisão.

Iscia Lopes Cendes  – “Nós estamos começando da estaca zero. Vamos conhecer o que é o genoma da população brasileira normal. Aí sim nós vamos poder interpretar melhor qual é a variação genética identificada que possa estar causando doenças”.

Se você é um pesquisador que tem interesse em depositar dados genômicos no banco de dados, ou paciente que se submeteu a algum teste genético e quer compartilhar suas informações pode entrar em contato com os responsáveis pelo projeto no endereço www.bipmed.iqm.unicamp.br.

Veja também

#136 – De olho no rótulo

#136 – De olho no rótulo

Em outubro de 2020, foi aprovada pela Anvisa a nova norma sobre rotulagem nutricional de alimentos embalados, que entrará em vigor em outubro de 2022. Segundo a Agência, as mudanças vão melhorar a clareza e tornar mais legíveis as informações nutricionais dos rótulos...

#135 – O lixo nosso de cada dia

#135 – O lixo nosso de cada dia

Somos grandes produtores de lixo, principalmente nós, que vivemos nos centros urbanos. Segundo uma pesquisa da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (ABRELPE), em 2019 cada brasileiro produziu quase 400 quilos de lixo. No Brasil há...

#132 – Os mitos da caverna

#132 – Os mitos da caverna

Estruturas que despertam o interesse das pessoas há milhares de anos, as cavernas ainda hoje são importantes destinos turísticos, mesmo que não para todos os gostos. Nesse episódio, falamos um pouco sobre essas estruturas, como elas se formam e também sobre os...

Oxidoc: Estranha célula das entranhas

Oxidoc: Estranha célula das entranhas

Um dia, a antropóloga Daniela Manica, hoje pesquisadora do Labjor/Unicamp, andava por São Paulo quando viu a seguinte frase pichada num muro: “Mulheres são estranhas, sangram pelas entranhas”. Naquela época, ela já pesquisava as relações entre cultura e natureza,...

Ética e Tecnologia em Saúde

Ética e Tecnologia em Saúde

O programa Oxigênio traz algumas produções de parceiros. Desta vez o programa conta com a participação do Podcast  Saúde com Ciência, do Centro de Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais, a UFMG, que contribui com a matéria “Ética & Tecnologia...

Projeto de proteção à saúde indígena

Projeto de proteção à saúde indígena

  O programa Oxigênio traz algumas produções de parceiros. Desta vez o programa conta com a participação do Podcast Unifesp, da Universidade Federal de São Paulo. A matéria explica atividades do Projeto Xingu, uma iniciativa de proteção à saúde indígena, com...

Cresce a violência no campo, segundo relatório

Cresce a violência no campo, segundo relatório

A violência no campo aumentou em 2016, informa o Relatório Conflitos no Campo Brasil, lançado em abril pela Comissão Pastoral da Terra. Foram 61 assassinatos, o segundo maior número em 25 anos. Confira a análise de Marco Antonio Mitidiero Junior, geógrafo da...

As pesquisas e usos das células-tronco

As pesquisas e usos das células-tronco

  Você já parou para pensar em quantas células nós temos no nosso organismo? Todas elas são originadas a partir das células-tronco. Nesta matéria, entenda mais sobre essas células, como podem ser armazenadas e ajudar no tratamento de doenças. Esta é uma...

Objetivos do Milênio: as desigualdades no Brasil

Objetivos do Milênio: as desigualdades no Brasil

No programa Oxigênio você também conhece outros podcasts de ciência e tecnologia realizados no Brasil. A seguir, ouça mais uma produção do Saúde com Ciência produzido pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), parceiro do Oxigênio. Esta...