Manual de Antigua traz padrão para as pesquisas de percepção pública de C&T
maio 10, 2016

Compartilhar

Assine o Oxigênio

 

Qual a percepção do público sobre a ciência e a tecnologia? Há pesquisas que se dedicam à essa questão. Elas são feitas desde os anos 70 nos Estados Unidos, desde os anos 80 no Reino Unido, e no Brasil, a primeira foi em 1987. Em um trabalho conjunto, países ibero-americanos criaram um padrão para fazer pesquisas nacionais de percepção e avançar nesses estudos. O desafio será manter uma frequência para que os dados possam ser usados junto com outros indicadores de ciência e tecnologia.

De tempos em tempos a gente ouve falar de pesquisas que medem a percepção da população sobre ciência e tecnologia. O pesquisador Carmelo Polino, da Rede Ibero-Americana de Indicadores de Ciência e Tecnologia (RICYT) explica o que são esses estudos.

Polino– “Basicamente eles medem qual é a relação do público, da sociedade em geral ou de públicos específicos com a própria ciência e tecnologia, ou seja, medem as expectativas que as pessoas têm do desenvolvimento de ciência e tecnologia, questões vinculadas com os riscos do desenvolvimento científico tecnológico, esperanças aplicadas ao desenvolvimento da saúde ou também a questão da institucionalidade da ciência e tecnologia num país determinado. A ideia é ver os indicadores de percepção como um tipo de termômetro para avaliar o que a ciência tem relação a sua vida cotidiana e suas expectativas como cidadãos quanto à função da ciência e tecnologia da sociedade”.

Polino coordenou o trabalho da rede de pesquisadores que buscou estabelecer um padrão para as pesquisas de percepção para a América Latina e Ibero-América. O resultado foi publicado sob o título Manual de Antigua, feito pela RICYT em conjunto com o a Organização dos Estados Ibero-Americanos para a educação, ciência e cultura, a OEI.

Polino “Foi um processo longo porque desde quando começamos a refletir sobre esse negócio passaram-se quase dez anos e ao mesmo tempo foi um processo complexo porque foi preciso atualizações, revisões da literatura, revisões da tradição de medição e ao mesmo tempo a própria realização dos estudos empíricos. A primeira característica desse indicador é a pertinência e a capacidade de captar o que acontece na realidade local. Mas uma segunda característica dos indicadores é que eles ao mesmo tempo têm que ser capazes de medir magnitudes em comparação com algo; e os países têm muito interesse em saber como a política científica que eles fazem tem a ver com relação aos outros contextos”.

O Manual de Antigua fornece as bases para os países realizarem suas enquetes locais. Ele indica o que medir e como interpretar os resultados. Essas referências já foram usadas para pesquisas nacionais, as mais recentes no Chile, Paraguai, El Salvador, Uruguai, Argentina e também no Brasil. Aqui, aliás, pesquisadores de diferentes instituições têm participado da elaboração do Manual de Antigua. Um dos integrantes dessa rede é o professor Carlos Vogt, do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo, o LABJOR, na Unicamp.

Vogt – “Houve esforços bastante grandes nesses últimos anos relativamente aos estudos de percepção pública, mas ainda falta bastante chão para essa história da padronização para fins da comparação internacional como o ocorre já há algum tempo com os indicadores de ciência e tecnologia. Entre outras coisas porque as pesquisas também não são realizadas com a periodicidade necessária para que você crie uma metodologia capaz da comparação e ao mesmo tempo da fixação de padrões nesse sentido. No Brasil tem uma ocorrência de publicações, mas não tem ainda uma periodicidade, o que poderia de fato contribuir no sentido desses objetivos de que a gente falou, que diz respeito aos indicadores de ciência e tecnologia e mesmo de percepção pública. As políticas públicas embora tenham formulações mais adequadas, em decorrência disso tudo, a prática, isto é, a aplicação dessas políticas públicas ainda carece de vontade política capaz de colocá-las efetivamente em funcionamento de maneira sistemática ”.

Se você quer conhecer o Manual de Antigua e saber mais sobre pesquisas de percepção acesse o site da RICYT.

Matéria de Patrícia Santos.

Veja também

#135 – O lixo nosso de cada dia

#135 – O lixo nosso de cada dia

Somos grandes produtores de lixo, principalmente nós, que vivemos nos centros urbanos. Segundo uma pesquisa da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (ABRELPE), em 2019 cada brasileiro produziu quase 400 quilos de lixo. No Brasil há...

#132 – Os mitos da caverna

#132 – Os mitos da caverna

Estruturas que despertam o interesse das pessoas há milhares de anos, as cavernas ainda hoje são importantes destinos turísticos, mesmo que não para todos os gostos. Nesse episódio, falamos um pouco sobre essas estruturas, como elas se formam e também sobre os...

Oxidoc: Estranha célula das entranhas

Oxidoc: Estranha célula das entranhas

Um dia, a antropóloga Daniela Manica, hoje pesquisadora do Labjor/Unicamp, andava por São Paulo quando viu a seguinte frase pichada num muro: “Mulheres são estranhas, sangram pelas entranhas”. Naquela época, ela já pesquisava as relações entre cultura e natureza,...

Ética e Tecnologia em Saúde

Ética e Tecnologia em Saúde

O programa Oxigênio traz algumas produções de parceiros. Desta vez o programa conta com a participação do Podcast  Saúde com Ciência, do Centro de Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais, a UFMG, que contribui com a matéria “Ética & Tecnologia...

Projeto de proteção à saúde indígena

Projeto de proteção à saúde indígena

  O programa Oxigênio traz algumas produções de parceiros. Desta vez o programa conta com a participação do Podcast Unifesp, da Universidade Federal de São Paulo. A matéria explica atividades do Projeto Xingu, uma iniciativa de proteção à saúde indígena, com...

Cresce a violência no campo, segundo relatório

Cresce a violência no campo, segundo relatório

A violência no campo aumentou em 2016, informa o Relatório Conflitos no Campo Brasil, lançado em abril pela Comissão Pastoral da Terra. Foram 61 assassinatos, o segundo maior número em 25 anos. Confira a análise de Marco Antonio Mitidiero Junior, geógrafo da...

As pesquisas e usos das células-tronco

As pesquisas e usos das células-tronco

  Você já parou para pensar em quantas células nós temos no nosso organismo? Todas elas são originadas a partir das células-tronco. Nesta matéria, entenda mais sobre essas células, como podem ser armazenadas e ajudar no tratamento de doenças. Esta é uma...

Objetivos do Milênio: as desigualdades no Brasil

Objetivos do Milênio: as desigualdades no Brasil

No programa Oxigênio você também conhece outros podcasts de ciência e tecnologia realizados no Brasil. A seguir, ouça mais uma produção do Saúde com Ciência produzido pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), parceiro do Oxigênio. Esta...

Análises ajudam a prevenir lesão muscular

Análises ajudam a prevenir lesão muscular

Além de matérias exclusivas, o programa Oxigênio seleciona conteúdos de outros podcasts e web rádios para você. Desta vez, o assunto é a ciência investigando os limites do esporte nesta produção da Universidade Federal de São Paulo, o Podcast Unifesp. Saiba mais sobre...