A força do pensamento medida por computadores
maio 24, 2016

Compartilhar

Assine o Oxigênio

 

Imagine para uma pessoa com alto grau de limitação motora voltar a ter um pouco mais de independência? Tarefas de diferentes complexidades são possíveis por meio de uma metodologia chamada de BCI. A sigla para BRAIN Computer Interface, que em bom português significa interface cérebro-computador, está longe de ser assunto novo, mas é uma área que sempre se reinventa a partir de pequenas-grandes conquistas.

O pesquisador André Ferreira do departamento de engenharia elétrica da universidade federal do espírito santo, conta que uma série de atividades podem ser feitas, acredite se quiser, com a força do pensamento, graças a um paradigma chamado de imagética motora.

André Ferreira“Basta você pensar, por exemplo, em mexer a mão direita, ou pensar em mexer os pés, não precisa executar o movimento porque a pessoa às vezes não tem essa capacidade, mas basta imaginar o movimento e o sistema detecta isso. Isso é muito mais intuitivo e você não depende de um estímulo externo, mas requer todo um período de aprendizado”.

Mas, para atingir resultados como esses, o cérebro precisa se comunicar sem interferência com o computador, o que acontece em três etapas principais: processamento de sinais, seleção de atributos e classificação.

Resumidamente, a primeira etapa amplifica dados extraídos do cérebro por meio de eletroencefalograma. Na parte dois os pesquisadores isolam esses dados e, na terceira etapa, os dados são classificados para que possam ser definitivamente reconhecidos pelo computador, como sintetiza o professor doutor Romis Attux, da faculdade de engenharia elétrica e de computação da Unicamp.

Romis Attux  – “A gente processa basicamente sinais oriundos de eletroencefalografia. São sinais elétricos, potenciais elétricos medidos na região do escalpo, e a finalidade do processamento é melhorar a qualidade dos sinais de modo que a gente possa depois traduzir a intenção do usuário, que ele vai nos transmitir através do seu cérebro, em um comando por exemplo para uma cadeira de rodas robótica ou algum outro tipo de destino”.

Além da imagética motora, que permite que os usuários realizem tarefas apenas pensando no que gostariam de executar, existem outros recursos. Um deles, bastante utilizado, é o SSVEP. Por meio deste método uma tela de computador emite estímulos luminosos em diferentes frequências. Esses sinais são captados pelo eletroencefalograma e então processados para que o computador compreenda qual tarefa o usuário planeja executar.

André Ferreira – “São os potenciais visuais evocados de estado permanente. Basicamente, se eu colocar um estímulo luminoso numa dada frequência e te apresentar esse estímulo, quando olharmos o EEG na parte occipital do cérebro, que é responsável pela parte visual, você vai ver que naquela frequência de estimulação terá um pico de energia. O que a gente pode fazer? Eu coloco diferentes ações, cada uma piscando com uma frequência diferente. Por exemplo: coloco uma seta para virar à esquerda, coloco uma frequência de 10 hertz. Uma seta pra virar à direita, uma outra frequência. Então basta o usuário olhar, focar no estímulo visual, o EEG é contaminado por esse estimulo e o software reconhece e executa a ação necessária”.

Para que o BCI aconteça o usuário fica com eletrodos conectados à cabeça. Esses dispositivos são acoplados do lado externo, sem necessidade de cirurgias ou qualquer outro procedimento clínico. No caso da imagética motora, os pesquisadores descobriram que o simples ato de imaginar um movimento já é suficiente para gerar uma atividade no córtex motor, e é bem nessa região que são implantados eletrodos.

Romis Attux  – “A gente usa os mesmos eletrodos. Só que na parte de imagética a gente concentra a atenção nos eletrodos que estão sobre o córtex motor, e na parte de SSVEP a gente trabalha principalmente com a região dos eletrodos que estão próximos do córtex visual. Porque nós conseguiremos detectar uma informação que a pessoa está captando visualmente, mas os eletrodos são os mesmos”.

Agora que você entendeu um pouco mais sobre o que é o BCI vai assistir a filmes como “fenômeno”, em que John Travolta passa a controlar coisas com a mente, X-men ou Matrix, obviamente, com um olhar muito mais crítico!

Matéria e locução de Erik Nardini.

Veja também

#135 – O lixo nosso de cada dia

#135 – O lixo nosso de cada dia

Somos grandes produtores de lixo, principalmente nós, que vivemos nos centros urbanos. Segundo uma pesquisa da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (ABRELPE), em 2019 cada brasileiro produziu quase 400 quilos de lixo. No Brasil há...

#132 – Os mitos da caverna

#132 – Os mitos da caverna

Estruturas que despertam o interesse das pessoas há milhares de anos, as cavernas ainda hoje são importantes destinos turísticos, mesmo que não para todos os gostos. Nesse episódio, falamos um pouco sobre essas estruturas, como elas se formam e também sobre os...

Oxidoc: Estranha célula das entranhas

Oxidoc: Estranha célula das entranhas

Um dia, a antropóloga Daniela Manica, hoje pesquisadora do Labjor/Unicamp, andava por São Paulo quando viu a seguinte frase pichada num muro: “Mulheres são estranhas, sangram pelas entranhas”. Naquela época, ela já pesquisava as relações entre cultura e natureza,...

Ética e Tecnologia em Saúde

Ética e Tecnologia em Saúde

O programa Oxigênio traz algumas produções de parceiros. Desta vez o programa conta com a participação do Podcast  Saúde com Ciência, do Centro de Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais, a UFMG, que contribui com a matéria “Ética & Tecnologia...

Projeto de proteção à saúde indígena

Projeto de proteção à saúde indígena

  O programa Oxigênio traz algumas produções de parceiros. Desta vez o programa conta com a participação do Podcast Unifesp, da Universidade Federal de São Paulo. A matéria explica atividades do Projeto Xingu, uma iniciativa de proteção à saúde indígena, com...

Cresce a violência no campo, segundo relatório

Cresce a violência no campo, segundo relatório

A violência no campo aumentou em 2016, informa o Relatório Conflitos no Campo Brasil, lançado em abril pela Comissão Pastoral da Terra. Foram 61 assassinatos, o segundo maior número em 25 anos. Confira a análise de Marco Antonio Mitidiero Junior, geógrafo da...

As pesquisas e usos das células-tronco

As pesquisas e usos das células-tronco

  Você já parou para pensar em quantas células nós temos no nosso organismo? Todas elas são originadas a partir das células-tronco. Nesta matéria, entenda mais sobre essas células, como podem ser armazenadas e ajudar no tratamento de doenças. Esta é uma...

Objetivos do Milênio: as desigualdades no Brasil

Objetivos do Milênio: as desigualdades no Brasil

No programa Oxigênio você também conhece outros podcasts de ciência e tecnologia realizados no Brasil. A seguir, ouça mais uma produção do Saúde com Ciência produzido pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), parceiro do Oxigênio. Esta...

Análises ajudam a prevenir lesão muscular

Análises ajudam a prevenir lesão muscular

Além de matérias exclusivas, o programa Oxigênio seleciona conteúdos de outros podcasts e web rádios para você. Desta vez, o assunto é a ciência investigando os limites do esporte nesta produção da Universidade Federal de São Paulo, o Podcast Unifesp. Saiba mais sobre...