#73 Temático: Vida de laboratório – parte 01
maio 25, 2019

Compartilhar

Assine o Oxigênio

Nas últimas semanas, o Ministério da Educação anunciou o bloqueio de 30% das verbas discricionárias das universidades federais do Brasil. Na prática, a medida reduz 7,4 bilhões de reais do orçamento de custeio que já havia sido aprovado por meio da Lei Orçamentária Anual (a LOA) de 2019 e compromete o funcionamento de atividades de ensino, pesquisa e extensão nas universidades.

No caso da pesquisa, a parte mais atingida foi a pós-graduação, com o recolhimento de bolsas consideradas ociosas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior, a CAPES. O problema é que a CAPES não especificou os critérios utilizados para considerar as bolsas ociosas e muitas delas já estavam destinadas a novos alunos de mestrado e doutorado aprovados nos processos seletivos dos programas de pós-graduação.

A medida representa mais um dos ataques que vêm sendo feitos às universidades públicas, com mentiras e muita desinformação. Em entrevista à rádio Jovem Pan no dia 08 de abril, o presidente do país afirmou que “poucas universidades têm pesquisa e, dessas poucas, a grande parte está na iniciativa privada”, quando na verdade, é o contrário. Segundo o relatório feito em 2017 pela empresa Clarivate Analytics, sob solicitação da CAPES, de 2011 a 2016, 95% da produção científica do Brasil, reconhecida internacionalmente, foi feita nas universidades públicas.

Aparentemente, o presidente não sabe muito sobre como a pesquisa é feita no Brasil. E na verdade muita gente não sabe. E para mostrar um pouco sobre como é a rotina das milhares de pessoas que produzem ciência no país, dedicamos o episódio de hoje à Vida de Laboratório. E como o assunto é extenso, esse episódio foi dividido em duas partes.

Os entrevistados da parte 1 foram o Gustavo Burín, pós-doutorando no Laboratório de Macroevolução e Macroecologia do Instituto de Biociências da USP, o LabMeMe; e os professores Alexandre Falcão e Jancarlo Gomes, do Laboratório de Ciência de Dados de Imagens, chamado de LIDS, da Unicamp. Os três contam histórias interessantes relacionadas às suas áreas de pesquisa e de seus laboratórios.

O episódio Vida de Laboratório foi apresentado por Bruno Moraes e Paula Penedo. As entrevistas e produção do roteiro foram feitos por Luanne Caires e Camila Cunha, com ajuda do Allison Almeida, sob coordenação da professora Simone Pallone, do Labjor. Nos trabalhos técnicos, Octávio Augusto, da Rádio Unicamp, e Gustavo Campos.

Deixe seu comentário contando o que achou do episódio. Você pode mandar sugestões também pelo Twitter (@oxigenio_news), Instagram (@oxigeniopodcast) e Facebook (/oxigenionoticias). Se preferir, mande um e-mail para oxigenionoticias@gmail.com.

Músicas:
RobinHood 76

https://freesound.org/people/Robinhood76/sounds/62282/

Future Proof

Like a Polaroid

Imagem

Jarmoluk/Pixabay

 

Veja também

#157 – Velhices digitais

#157 – Velhices digitais

Em entrevista para a Mayra Trinca, Cíntia Liesenberg, conta um pouco sobre o que encontrou em sua pesquisa sobre a relação dos idosos com o mundo digital que aparece em matérias da revista Longeviver. 

# 156 – “Morreu de velho não existe”

# 156 – “Morreu de velho não existe”

O episódio #156 trata dos processos do envelhecimento, que a velhice é muito heterogênea no Brasil, e que as condições de vida influenciam muito em como a velhice vai ser experienciada por cada pessoa dependendo de sua condição socioeconômica. E que a idade pode trazer novas e boas experiências, novas atitudes em relação à vida e aos relacionamentos.

#151 – Dicionários temáticos: significados além das palavras

#151 – Dicionários temáticos: significados além das palavras

O episódio trata do papel de dois dicionários temáticos na divulgação ciência, promoção de debates e estímulo ao conhecimento. O Oxigênio entrevistou José Luiz Ratton, um dos organizadores do “Dicionário dos Negacionismos no Brasil”, e Sônia Corrêa e Rodrigo Borba, ambos da Universidade Federal do Rio de Janeiro, responsáveis pelo dicionário “Termos Ambíguos do Debate Político Atual”. Os verbetes dos dois dicionários foram produzidos por especialistas em diferentes áreas.

#148 – Como você se desloca na sua cidade?

#148 – Como você se desloca na sua cidade?

O deslocamento das pessoas pelos centros urbanos é sempre uma preocupação, não só para os cidadãos, mas para o poder público, que deve fornecer o melhor tipo de transporte para a população, sejam os ônibus, trens, metrô. Neste último episódio da série Cidades, o...