#75 Temático: Goles de Ciência: Desopilando o Cérebro
ago 15, 2019

Compartilhar

Assine o Oxigênio

Depois do esquenta que fizemos no episódio anterior, convidamos você para desopilar o cérebro no segundo episódio da série “Goles de Ciência”. Venha conosco refletir sobre os desafios da comunicação de ciência feita por cientistas para não-cientistas em um bate-papo com organizadores, palestrantes e ouvintes do festival Pint of Science 2019. 

Muitos brasileiros têm interesse por ciência, mas poucos conhecem as pesquisas feita no país, suas instituições científicas e seus protagonistas. Num cenário de disseminação de informações e notícias falsas nas redes sociais, a divulgação científica assume um papel cada vez mais estratégico. Apesar disso, divulgar ciência ainda é uma prática vista com maus olhos por uma boa parte dos cientistas. O fato de não ser devidamente valorizada no meio acadêmico e institucional não ajuda muito também.

Além de enfrentar esses obstáculos, os cientistas que se aventuram na comunicação da ciência percebem que falar de temas científicos para um público não iniciado não é tão simples assim. É preciso saber comunicar e adaptar a linguagem. E é aí que entram iniciativas como o Pint of Science: um verdadeiro laboratório para os cientistas desenvolverem e testarem suas habilidades comunicativas. Experimentar novos formatos e novas linguagens… A ideia é sair da zona de conforto e estimular a criatividade.

Apesar do desafio, nesta época de corte de recursos para a ciência, comunicar ciência é mais que necessário, é obrigatório! A gente espera que esse episódio contagie você, cientista ou amante de ciência, a embarcar nessa jornada. Quem sabe você se sinta encorajado a, também, participar de projetos de divulgação científica?  

O que você pensa sobre divulgação científica na academia?

Fale com a gente! Deixe a sua opinião aqui mesmo ou nas nossas mídias sociais: Twitter (@oxigenio_news), Instagram (@oxigeniopodcast) ou Facebook (oxigenionoticias). Se preferir, envie um e-mail para oxigenionoticias@gmail.com.

O roteiro e a apresentação do episódio foram feitas por Bruno Moraes, Camila Cunha e Natália Flores. Os trabalhos têm a coordenação da professora Simone Pallone, do Labjor. Nos trabalhos técnicos, Octávio Augusto e Jeverson Barbieri, da Rádio Unicamp, e Gustavo Campos. Social mídia por Helena Ansani. 

 

Links para pesquisas de percepção pública da ciência:

Percepção Pública da C&T no Brasil 2015 realizada pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI):

http://percepcaocti.cgee.org.br/

Percepção Pública da C&T no Brasil 2019 realizada pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), colaboração do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia – Comunicação Pública da Ciência e Tecnologia (INCT-CPCT) e apoio da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC):

https://www.cgee.org.br/documents/10195/734063/CGEE_resumoexecutivo_Percepcao_pub_CT.pdf

 

Crédito das trilhas sonoras:

“Rollanddrop” de Jingle Punks

“Walking the dog” de Silent Partner 

“How we like it” de Dan Lebowitz

Disponíveis na biblioteca de áudio do YouTube.

 

Crédito de imagem:

aqua-beverage-clean-1615011.jpg” de rawpixel.com disponível em Pexel

Veja também

# 156 – “Morreu de velho não existe”

# 156 – “Morreu de velho não existe”

O episódio #156 trata dos processos do envelhecimento, que a velhice é muito heterogênea no Brasil, e que as condições de vida influenciam muito em como a velhice vai ser experienciada por cada pessoa dependendo de sua condição socioeconômica. E que a idade pode trazer novas e boas experiências, novas atitudes em relação à vida e aos relacionamentos.

#151 – Dicionários temáticos: significados além das palavras

#151 – Dicionários temáticos: significados além das palavras

O episódio trata do papel de dois dicionários temáticos na divulgação ciência, promoção de debates e estímulo ao conhecimento. O Oxigênio entrevistou José Luiz Ratton, um dos organizadores do “Dicionário dos Negacionismos no Brasil”, e Sônia Corrêa e Rodrigo Borba, ambos da Universidade Federal do Rio de Janeiro, responsáveis pelo dicionário “Termos Ambíguos do Debate Político Atual”. Os verbetes dos dois dicionários foram produzidos por especialistas em diferentes áreas.

#148 – Como você se desloca na sua cidade?

#148 – Como você se desloca na sua cidade?

O deslocamento das pessoas pelos centros urbanos é sempre uma preocupação, não só para os cidadãos, mas para o poder público, que deve fornecer o melhor tipo de transporte para a população, sejam os ônibus, trens, metrô. Neste último episódio da série Cidades, o...

#147 – Veredas do Tietê

#147 – Veredas do Tietê

O episódio #147 trata de histórias e curiosidades do Tietê, esse importante rio que corta praticamente todo o estado de São Paulo e que tem uma presença marcante na capital paulista. Um rio que já serviu para nado, competições de remo, pesca, navegação, extração de pedras e areia para construção, esgoto, que é muito lembrado pela poluição, mas que em determinados trechos é limpo e ainda tem uso recreativo. 

#145 – Ocupação da cidade para o bem-estar

#145 – Ocupação da cidade para o bem-estar

Ocupar os espaços públicos é importante para garantir sua manutenção, segurança e melhorias. Fazer atividade física é fundamental para manter a saúde. Para algumas condições crônicas, como o diabetes, a prática de exercícios é ainda mais relevante. Então, juntar as duas coisas, ou seja, praticar atividade física visando a prevenção ou o tratamento do diabetes ao mesmo tempo em que se ocupa a cidade é o que fazem os entrevistados deste episódio.

# 143 – Aporofobia: Rechaço, preconceito e hostilidade ao pobre

# 143 – Aporofobia: Rechaço, preconceito e hostilidade ao pobre

Neste episódio a Fabíola Junqueira e a Fernanda Capuvilla falam sobre o significado da palavra Aporofobia na vida cotidiana de pessoas em situação de rua no espaço urbano. Elas conversaram com o padre Julio Lancellotti que constantemente denuncia espaços hostis, com o professor Raimundo Ferreira Rodrigues que já esteve em situação de rua e hoje é doutorando em educação pela Universidade Federal do Tocantins e com a arquiteta Débora Faria que pesquisou sobre arquitetura hostil em seu projeto de mestrado.